Lançamento na Calouste Gulbekian | Wellington de Melo | escritor
Site do escritor Wellington de Melo
wellington de melo, literatura, escritor
16941
post-template-default,single,single-post,postid-16941,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode_popup_menu_push_text_top,qode-content-sidebar-responsive,columns-4,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_non_responsive

Lançamento na Calouste Gulbekian

Lançamento na Calouste Gulbekian

Bem feliz de dividir com vocês algumas notícias. Próximo dia 18 de outubro participo da programação do Festival de l’incertitude, com uma conferência na Biblioteca da Fundação Calouste Gulbekian, em Paris. Antes que falem, não, não estarei presencialmente (pena, né?). Participo por vídeo conferência da mesa “Incertitudes sociopolitiques et résistance : les éditions cartoneras”, a partir das 18h30 (horário da França), com os queridos Saulo Neiva e Alicia Cuerva (esses, sim, terão a sorte de estar por lá!).

Na mesa, discutiremos como o movimento cartonero vem ajudando a colocar em difundir ideias e colocar em discussão problemas de nosso tempo. Uma prova real disso é que lançaremos, na ocasião, uma edição bilíngue do conto “O dicionário” de Machado de Assis, com tradução de Saulo Neiva (que também escreveu um posfácio) e Alicia Cuerva. O conto, publicado originalmente em 1885, parece ter sido uma premonição de Machado sobre o cenário político brasileiro atual. A publicação do conto, com ilustrações minhas e projeto gráfico de Patrícia Cruz Lima, soma-se às iniciativas de combater de forma crítica o golpe parlamentar que teve lugar no país este ano.

Na ocasião, também será lançada a edição francesa de “O caçador de mariposas”, com tradução de Alicia Cuerva e posfácio da professora Bianca Campelo, que traz uma análise interessante sobre a construção do livro e sua relação com a estrutura do tarô.

Wellington de Melo
poet@wellingtondemelo.com.br

Escritor, professor e tradutor. Publicou diversos livros, entre eles "O caçador de mariposas", traduzido para o francês, e "Estrangeiro no labirinto", semifinalista do Prêmio Portugal Telecom. Edita autores contemporâneos pelo selo Mariposa Cartonera, que publica livros artesanais com capas de papelão reutilizado.

Sem comentários ainda

Desculpe, os comentários estão fechados.