O caçador de mariposas revelado | Wellington de Melo | escritor
Talvez a maior busca de um escritor seja pelo leitor ideal. Essa busca atormenta o autor durante o silêncio que sucede a publicação e nunca o abandona.
wellington de melo, literatura, escritor
16973
post-template-default,single,single-post,postid-16973,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode_popup_menu_push_text_top,qode-content-sidebar-responsive,columns-4,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_non_responsive

O caçador de mariposas revelado

Talvez a maior busca de um escritor seja pelo leitor ideal. Essa busca atormenta o autor durante o silêncio que sucede a publicação e nunca o abandona. Imaginar que alguém tenha todas as chaves para abrir uma obra e alcançar a menor das matrioskas encerradas nas páginas de um livro é quase uma utopia. Por isso, o misto de ansiedade e receio quando soube que uma turma do ensino médio de uma escola no Recife estava fazendo um trabalho envolvendo meu “O caçador de mariposas”. Como seria a recepção? Conseguiriam abrir quantas portas? O livro os tocaria de alguma forma?

Sempre acreditei no poder da mediação do professor e, nesse sentido, parte de meus medos se dissipou quando soube que a professora Bianca Campello estava à frente desse trabalho. Conhecia a paixão – ingrediente essencial para um professor de literatura – e a seriedade – ingrediente essencial para qualquer professor – com que Bianca trabalha e, pior, sabia que ela teria um molho de chaves bem amplo. Muitas portas portas seriam abertas.

Mas não imaginava um resultado tão poderoso. O trabalho consistia numa primeira leitura guiada do livro. Claro que Bianca, que havia escrito um excelente ensaio sobre o livro, e foi responsável pelo posfácio da edição francesa, lançada no ano passado, deu logo as primeiras chaves: o livro traz um poema longo que se estrutura a partir do percurso do herói junguiano, usando os arcanos maiores do tarô para representar cada uma das vinte e duas lâminas do jogo em seus vinte e dois cantos. Isso justificou que o trabalho final fosse uma interpretação intersemiótica. A professora propôs não uma manjada resenha ou coisa do tipo: os alunos deveriam interpretar o livro criando um novo tarô a partir de sua leitura.

Como falei, o resultado foi incrível. Nas lâminas criadas pelos alunos, é possível perceber tanto a compreensão deles do sistema do tarô, como sua ligação com cada um dos poemas. Assim, a maioria dos baralhos – que foram criados artesanalmente, alguns em papelão como são as edições do livro – remete ao tarô de Marselha, mas há variações que lembram Rider-Waite. Há decks de todos os tamanhos e com diferentes estilos. Alguns são puramente visuais e a relação intersemiótica os transforma em pequenas obras de arte. Há baralhos que chegam a uma síntese de compreensão tão profunda que recriam o sistema e nos presenteiam um novo baralho, com títulos que remetem a versos dos poemas, mas que preservam o espírito da jornada do herói.

A magia da busca pelo leitor perfeito talvez seja esses encontros em que, na verdade, só nos vemos por um relance. Observando os baralhos, que a professora Bianca fez questão de deixar comigo de lembrança, me aprisiono também nos universos que eles criaram a partir da leitura do meu livro, mergulho nos olhares que eles engendraram, nos descaminhos, nas encruzilhadas, volto à superfície e mergulho mais uma vez, perdido numa microscópica matrioska, esperando um dia receber uma “carta de leitor” tão magnífica como essas que me deram de presente.

Receba em casa seu
exemplar único
Wellington de Melo
poet@wellingtondemelo.com.br

Escritor, professor e tradutor. Publicou diversos livros, entre eles "O caçador de mariposas", traduzido para o francês, e "Estrangeiro no labirinto", semifinalista do Prêmio Portugal Telecom. Edita autores contemporâneos pelo selo Mariposa Cartonera, que publica livros artesanais com capas de papelão reutilizado.

No Comments

Post A Comment