Felicidade | Wellington de Melo | escritor
Romance de Wellington de Melo
romance wellington de melo
17581
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-17581,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode_popup_menu_push_text_top,qode-content-sidebar-responsive,columns-4,qode-theme-ver-13.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_non_responsive

Felicidade

Date
Category
Romance
Tags
romance

A vida que você leva é falsa. Mas somente as melhores partes. As piores você vive todos os dias, como Ademir, para quem a felicidade talvez seja como uma perna falsa, ele mesmo lidando com corpos protéticos, homens e mulheres menos que homens menos que mulheres. Mas os nomes e personagens deste livro são verdadeiros. Todos são endocruzados, impuros e sujos. Todos [nós] carne da própria carne, da realidade filha da arte, da arte filha da dor. Talvez Ademir pense assim enquanto trabalha, ele e seus pensamentos de planície, de uma cidade plana. Algumas pessoas têm de morrer: nisso consiste a felicidade, ou a lógica das guerras sacrossantas.

O Butão é o país da felicidade. Mas o homem feliz, de Maiakovski, vive neste Brasil do romance de Wellington de Melo. A seu modo.

Parte da felicidade é direito à memória. Outra parte, ao esquecimento. Ademir precisa escolher o que, de quem, esquecer. Esquecer é um ato político. A morte, outro ato político. O fato é que 40 pessoas estão prontas a se atirar, para esquecer, para serem lembradas, hoje à noite. Os seres deste livro, annakareninamente felizes à sua maneira, estão dispostos a tudo para demonstrar que “Felicidade” é a vida [falsa] que você leva.