tipo textual e gênero textual

Tipologia textual versus gênero textual

Uma das dúvidas mais recorrentes dos alunos é a diferença entre gênero e tipo textual. Há alguns anos, durante uma aula, eu segurava um exemplar de O senhor dos anéis. Pergunto a meus alunos qual o gênero textual a que pertence o livro. Um deles responde com toda segurança: “Narrativo!” Respostas como essa denotam que há uma certa confusão por parte deste aluno com respeito aos conceitos de tipo textual gênero textual.

Por isso, tentarei explicar brevemente a diferença. Neste texto, utilizei como base um excelente artigo de Luiz Antônio Marcuschi, publicado em Gêneros textuais e ensino (Lucerna, 2005), organizado por Ângela Dionísio, Anna Raquel Machado e Maria Auxiliadora Bezerra. Além disso, utilizei exemplos extraídos do livro O senhor dos anéis.

Língua, tipos de texto e gêneros textuais

Primeiramente, vamos entender um pouco o que é uma língua. Para Marcuschi (2005) a língua é uma “atividade social, histórica e cognitiva”. Uma língua só existe a partir das interações entre seus falantes e essas interações se dão através de determinados “modelos” adaptados às mais diversas situações comunicativas. Esses modelos ou “ações sócio-discursivas” são os gêneros textuais ou gêneros discursivos; são textos nas formas que encontraremos em nosso cotidiano, definidos por sua composição usual, suas funções comunicativas, estilo etc.  Quando você fala de um gênero discursivo estará falando de uma carta, de uma entrevista, de uma aula expositiva, de um chat etc.

Por outro lado, ao falarmos de tipos textuais, estaremos diante de sequências  de textos com determinadas características linguísticas, determinadas por aspectos lexicais, sintáticos, relações lógicas etc. Naturalmente, há um número incontável de gêneros textuais, mas os tipos textuais são apenas cinco, a saber, narrativos, argumentativos, expositivos, descritivos e injuntivos. Esses são caracterizados pela presença de certos traços linguísticos predominantes. Por isso, uma sequência narrativa normalmente é reconhecida por seu caráter temporal, enquanto uma sequência injuntiva pela presença de elementos imperativos. Em detalhe, os tipos textuais segundo Werlich (1973).

Narrativos

Os textos de tipo narrativo tendem a ser enunciados com verbos  de mudança no passado, um circunstancial de tempo e lugar. Normalmente são designados como enunciados de ação. Dessa forma, o elemento central é a sequência temporal. Veja este exemplo:

Entraram pela Porta e desceram a rua íngreme e sinuosa. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 901.)

Descritivos

Trata-se de uma estrutura simples com um verbo estático no presente ou imperfeito, um complemento e uma indicação circunstancial. Aqui, predominam as sequências de localização. Leia o exemplo:

A luz crescia; e as altas colunas e as figuras esculpidas ao longo do caminho passavam lentamente como fantasmas cinzentos. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 901.)

Expositivos

Esses servem para identificar ou ligar fenômenos, através de processos de composição ou decomposição. É comum que o sujeito e o complemento estabeleçam entre si uma relação de parte-todo. São sequências analíticas ou explicitamente explicativas.

Essa é a corneta que Boromir sempre carregava! – exclamou Pippin. (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 797.)

Argumentativos

Trata-se de um enunciado de atribuição de qualidades ou valores. Há um claro predomínio de sequências textuais contrastivas explícitas e de criação de conceitos a partir do próprio discurso com o objetivo de persuadir o interlocutor.

 – Muito bem! – disse Sam desanimado. – Mas eu vou primeiro.

– Você? – disse Frodo. – O que o fez mudar de ideia sobre descer?

– Não mudei de ideia. É apenas bom senso: que vá primeiro aquele que tem mais probabilidade de escorregar. Não quero cair em cima do senhor e derrubá-lo – é insensatez matar dois numa só queda.    (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, As duas torres, p. 637.)

Injuntivos

São enunciados incitadores à ação. Neles, nota-se claramente sua função apelativa, uma vez que tende a possuir sequências com verbos no imperativo.

Ex: Parem! Parem! – gritou Gandalf, saltando na direção da escada de pedra diante da porta. – Parem com esta loucura! (J. R. R. Tolkien, O senhor dos anéis, O retorno do rei, p. 901.)

Diferença entre gênero e tipo textual

Como afirmei, os exemplos foram tirados de O senhor dos anéis, aquele que era um texto “narrativo”. Dessa forma, a resposta do aluno no começo deste post seria inadequada pois revela apenas o predomínio de uma sequência tipológica em um determinado gênero textual. Isso porque um mesmo gênero normalmente pode ter diferentes sequências textuais de diferentes tipologias.

Já no gênero “redação escolar” predominam as sequências argumentativas, mas é possível identificar enunciados expositivos ou injuntivos, por exemplo. O romance (eis a resposta que deveria ter dado o aluno!) terá todas essas sequências trabalhando em função da narração.

photo credit: Elrenia_Greenleaf

Receba meus livros
em casa.
Etiquetas:
44 Comentários
  • Olga
    Postado às 22:48h, 05 maio Responder

    Muito elucidativo! Estava na maior dúvida, sempre confundindo tipo e gênero, mas a partir de sua explicação é como se um véu tivesse caído e eu enxergasse melhor. Muitíssimo obrigada!

    • Wellington de Melo
      Postado às 23:00h, 05 maio

      Obrigado, Olga! Divulgue nosso blog!

    • wilson sá
      Postado às 11:33h, 01 dezembro

      Ainda não entendi a diferença entre tipos textuais e gêneros textuais, aliás, estava até entendendo, porém, na pergunta: qual o gênero textual… eu achei q seria: qual o tipo t extual… pois, narrativa, etc, são tipos de textos e não gêneros, logo, o aluno teria errado pq respondeu “narrativo”, pois narrativo é um dos 5 tipos textuais.

    • Wellington de Melo
      Postado às 20:40h, 03 dezembro

      Mas a pergunta era certa: qual o gênero (romance). Como viu, dentro de um mesmo gênero, você pode ter diversas tipologias textuais.

  • Cíntia Lobo
    Postado às 00:07h, 09 julho Responder

    Obrigada e Parabéns Professor! Esclareceu muitas dúvidas, as quais vinham se acumulando. Sou estudante de Letras , tenho um ótimo orientador, mas na hora de elaborar o trabalho acadêmico fora da sala de aula, me vejo com algumas dúvidas. Q possa cada vez mais nos orientar com seus post esclarecedores…

  • Ivana Cristina Coelho
    Postado às 10:00h, 06 maio Responder

    Olá prof.
    Parabéns pelo post. Super explicativo. Gostaria de te pedir ajuda em uma questão: Estou cursando o primeiro semestre do mestrado em letras e minha proposta é analisar os procedimentos argumentativos nas redações solicitadas em processos de seleção de emprego. As empresas de RH pedem uma redação aos candidatos e eu suponho que a redação seja um gênero que pode também ser chamado de dissertação, mas a minha orientadora afirma que é um tipo textual. Eu estou com dúvidas, porque a redação não seria um gênero e se ela é dissertativa ou argumentativa não seria o tipo? Por favor, o senhor poderia me dar referenciais teóricos sobre essa questão? Fico imensamente agradecida.

  • Stefanie
    Postado às 20:04h, 03 abril Responder

    Sou estudante do último semestre do curso de Letras e fã de Tolkien! Sua aula foi incrível, queria ter sido sua aluna na disciplina de Linguística de Texto! Parabéns pelo texto, pelo blog e por ser um ótimo profissional!

    • Wellington de Melo
      Postado às 10:01h, 04 abril

      Muito obrigado! Espero que possa usar o exemplo em aulas!

  • Miligratis
    Postado às 11:36h, 19 maio Responder

    A resposta certa poderia ser conto..OK ?

  • Jefferson Cézanne
    Postado às 20:32h, 12 março Responder

    Achei fantástico a forma que o texto foi abordado. Tenho certeza que esse aluno nuca mais cometerá este erro. Parabéns!

  • Gabriela Truocchio
    Postado às 12:51h, 11 março Responder

    Gostei mtoo do seu post, da hora . Pois gira em volta do Senhor dos Aneis !! mtoo chique gostei e me ajudou a estudar para a prova!! vlw! 

  • Ana Lúcia
    Postado às 20:05h, 06 março Responder

    Eu apreciei muito o seu post esclareceu algumas duvidas.muito obrigada!

  • Professor Nana
    Postado às 15:59h, 06 março Responder

    Há conceitos em relações a generos enraizados em nossa cultura escolar, não seria mais inteligente por parte dos autores  utilizar os conceitos já existentes e utilizar novas nomeclaturar somente quando necessário. Provavelmente esse aluno aprendeu durante sua caminhada escolar que contos, cronicas, romances são do genero narrativo. Para os autores como Marcuschi genero é tipo, eis a confusão formada. Sem falar que para muitos autores os  conceitos continuam o mesmo. É preciso enconcotrar fôrmulas para transitarmos entre todos os conceito e nomeclaturas.

    • Wellington de Melo
      Postado às 18:31h, 06 março

      Olá, Nana. Não entendi a coisa de que para Marcuschi gênero é tipo. No caso, você estava falando de gêneros literários ou gêneros discursivos? Concordo que é difícil a questão das múltiplas nomenclaturas, mas é um trabalho lento de se modificar, pois, no final das contas, está enraizado nos professores, não nos alunos, não é? Abração!

  • Maggie
    Postado às 09:27h, 06 março Responder

    Eu particularmente adorei as explicações, pois foram todas bem detalhadas e de uma forma bem sintetizada. Obrigada pelas dicas!

  • Sergio Assis.
    Postado às 21:09h, 08 fevereiro Responder

    Gostei muito do post. Serve como provocação para que o leitor mais interessado possa buscar outras fontes de pesquisa.

  • Carla Graicy
    Postado às 20:53h, 03 fevereiro Responder

    Eu apreciei o seu post,mas acredito que deveria aprofundar mais na definição de tipologia textual e gêneros textuais e exemplificar mais.

    • Wellington de Melo
      Postado às 05:45h, 04 fevereiro

      Obrigado, Carla. A proposta do texto é ser breve mesmo, não tão analítico. Os exemplos usados foram todos extraídos do livro “O sernhor dos anéis”, para dar uma unidade ao texto. Mas acredito que existem outros mais detalhados e mais profundos pela net. Abração!

  • Cristina
    Postado às 12:19h, 02 janeiro Responder

    GOSTEI MTO, ME AJUDOU A TIRAR VÁRIAS DÚVIDAS.oBRIGADO!

    • Angelafonseca22
      Postado às 15:28h, 27 fevereiro

      gostei e um pouco complicado

  • Kaliny-macedo
    Postado às 10:49h, 08 dezembro Responder

    adorei o post achei muito interessante mas ñ esclareceu pra mim o que eu precisava

    • Wellington de Melo
      Postado às 10:59h, 08 dezembro

      O que exatamente você precisava, Kaliny?

  • Proferoseane
    Postado às 01:26h, 15 outubro Responder

    Gostei muuito das suas colocações, irei utilizá-las em um curso que estou fazendo. Obrigada por contribuir para que tudo se esclareça em relação à tipologia e ao gênero. Um abraço da Roseane

    • Wellington de Melo
      Postado às 05:53h, 15 outubro

      Roseane, pode usar sim! Grande abraço e boa caminhada! Se gostou, pode curtir!

  • Jean
    Postado às 17:23h, 10 outubro Responder

    o SR. poderia resumir mais detalhadamente a diferença dos dois tipologia e generos textuais: 
    gostei muito do seu texto muito claro e objetivo suceso na sua carreiramano fuiz, mas ñ esqueci de responder ñ viu

  • glaucia
    Postado às 17:23h, 08 julho Responder

    Nossa! gostei muito sobre o que li, você é professor de português , escola públca ou privada?
    Achei interessante a colocação da Silviene, e ainda percebo qu estou com dúvidas sobre quando poderia definir uma propaganda (tipologia argumentativa ou injuntiva?)

    • Wellington de Melo
      Postado às 23:01h, 08 julho

      Olá, Gláucia. Mais uma vez: cada texto é uma combinação de tipologias. Por exemplo, pense naquele anúncio publicitário antigo que dizia: “Não esqueça minha calói”. Claro que existe aqui uma tipologia injuntiva, né? Mas pense no anúncio do Bradesco: Bradescompleto. Um neologismo que de alguma forma te passa a mensagem. Injunção aqui? Não necessariamente. Veja: não existe isso de dizer que carta é um gênero injuntivo, descritivo etc. Isso não é a natureza dos gêneros, é o que menos importa. O que define o gênero textual, segundo Marcuschi, é muito mais sua circulação social que sua forma. Acho que é isso.

  • Silviene
    Postado às 17:17h, 20 março Responder

    Olá, professor!

    Aqui estou novamente para pedir-lhe novas orientações sobre tipologia e gênero. Gostaria de saber se posso classificar a crônica “Notícia de Jornal”, de Fernando Sabino, como narrativo-descritiva. Tenho analisado os conceitos de ambas tipologias e considerei caso de hibridismo, se é que isso é possível. Desde já agradeço, mais uma, vez sua atenção.

    Abraços,

    Silviene.

    • Wellington de Melo
      Postado às 18:44h, 20 março

      Olá, Silviene.
      Como mencionei em outra ocasião, quando se trata de tipologia, dificilmente você encontrará um gênero ‘puro’. Aliás, uma das características dos gêneros é essa possibilidade de tipologias múltiplas. Considere que, mais importante que classificar um gênero como contendo tipologia X ou Y, é considerar que possa existir uma predominante. Esse hibridismo de que fala está praticamente a essência dos gêneros.

  • Silviene
    Postado às 19:15h, 28 fevereiro Responder

    Prezado Wellington, muito obrigada pela sua orientação, ajudou-me bastante!!!!!

    Abraços, Silviene.

  • Silviene
    Postado às 17:54h, 28 fevereiro Responder

    Prezado Wellington,

    Gostaria de saber se o gênero “cheque” pertence ao tipo textual injuntivo. Desde já obrigada.

    • Wellington de Melo
      Postado às 18:53h, 28 fevereiro

      Silviene, primeiro é bom dizer que nenhum gênero ‘pertence’ a um tipo, mas possui sequências tipológicas mais ou menos predominantes. No cheque existe normalmente a sequência “Pague-se por este cheque”. Essa sequência é claramente injuntiva. Daí a afirmarmos que o cheque é necessariamente injuntivo, acho que não rola. Abraço.

  • Clara
    Postado às 09:31h, 11 junho Responder

    Num gostei mt nummm aff

    • Wellington de Melo
      Postado às 13:01h, 11 junho

      Do que exatamente você não gostou, Clara? Abraço.

  • LN
    Postado às 18:46h, 21 fevereiro Responder

    Anterior aos estudos de Marcuschi e, provavelmente fonte de pesquisa do mesmo, são as publicações de Bronckart (1996a) sobre gênero e tipo. Só que para o autor não são apenas cinco tipos textuais, mas 6: descritiva, explicativa, argumentativa, narrativa, injuntiva e dialogal. Essa última aconteceria nos momentos em que se torna necessário fazer o destinatário manter-se na interação proposta (ex: a ‘abertura’ de um bilhete ou carta, ‘operações transacionais’ quando se passa a palavra, no ‘fechamento’ de alguma comunicação, entre outros exemplos). Não entendi, ainda, porque nos livros mais recentes não é mencionado esse sexto tipo.

    • Wellington de Melo
      Postado às 20:40h, 21 fevereiro

      Tento lembrar agora como Marcuschi trata as sequências ‘dialogais’ de Bronckart, mas há aqui uma relação com a função fática, não?

  • Wellington de Melo
    Postado às 11:35h, 21 fevereiro Responder

    Respondendo ao Ricardo, acho que talvez não fosse necessária, mas já que aconteceu, deveria ser mais ampla e simplificar mais coisas. Do jeito que ficou, em alguns casos apenas complicou, como com os hifens.

  • monica
    Postado às 11:32h, 21 fevereiro Responder

    A nova reforma é necessária sim porque a língua sofre variação seja de forma oral ou escrita,pois eu não concordava de ´so a linguagem falada sofrer variaçôes então agora estou contente com a nova reforma ortógráfica

  • Wellington de Melo
    Postado às 11:32h, 21 fevereiro Responder

    Oi, Mônica.

    Como o próprio Marcuschi diz, há um número incontável de gêneros e eles se multiplicam à medida em que são criadas novas formas de interação numa sociedade. Seria complicado oferecer uma tabela de gêneros, mas pense que um gênero é uma ‘formatação instituída’, uma maneira de veicular um texto numa sociedade. Falaremos aqui de uma carta, um email, uma tese, uma aula expositiva, uma comunicação oral, um chat etc. Enfim, não seria possível fazer uma lista assim e talvez não fosse nem tão relevante, já que a natureza dos gêneros é se misturarem, se imbricarem em novas configurações. Um anúncio publicitário, por exemplo, pode vir com a ‘forma’ de uma carta para papai Noel. O que o define como anúncio é sua função social. É por aí!

  • Ricardo Leonel
    Postado às 01:53h, 04 maio Responder

    Responda, sinceramente: essa nova reforma ortográfica era realmente necessária?
    Ricardo

Comente