Irreverência dá o tom da FreePorto

Publicado no dia 07 de nov. de 2009.

A Festa Literária do Recife começa hoje com atividades “bizarras”

Quem não quer embarcar na badalação da 5ª Fliporto, no Litoral sul pernambucano, tem como aproveitar no Recife a FreePorto, uma festa literária na acepção mais ampla do termo. O evento, repleto de atividades insólitas pautadas na anarquia, instala-se na Rua da Moeda, Bairro do Recife, de hoje a domingo.
Incumbidos de mostrar como se faz uma verdadeira festa no universo das letras, o grupo Urros Masculinos, a poeta Cida Pedrosa e o escritor Marcelino Freire abrem o evento às 20h. Na sequência, apresentação do recital “Pula! Pula! Pula!”, tendo em vista que escritores irão declamar da sacada do Espaço Corpos Percussivos. Para encerrar o primeiro dia de atividades, shows com as bandas Semente de Vulcão e Johnny Hooker & Candeias Rock City.

Espaço Corpos Percussivos, 150, Rua da Moeda, Bairro do Recife

Para reforçar o caráter nada convencional do evento, Bruno Piffardini, Wellington de Melo e Artur Rogério, integrantes do Urros e organizadores da FreePorto, revisitaram o formato de oficinas e programaram, para este sábado, a realização de off-sinas, como a encabeçada por Raimundo Carrero, “Inspiração – o raio que o parta!”, referência à ideia que o escritor costuma defender de que inspiração definitivamente não existe.

Já o escritor Valmir Jordão ensina, em “Geração 51”, a fazer uma legítima caipirinha. Ficou a cargo de Henriqueta Weissmüller revelar como transformar um poeta marginal em um membro da Academia Pernambucana de Letras. Sem esquecer da participação de Ariano Suassuna cover, responsável por ensinar a cantar o frevo “Madeira do Rosarinho”. “Sempre se pensa literatura como manifestação careta. Então, queremos fazer uma festa literalmente”, esclarece Artur Rogério.

Mas a festa ganha teor literário ainda no sábado, com a presença do badalado escritor paulista Santiago Nazarian, que lançará o conto “Você é meu Cristo Redentor”, a partir das 15h30. A subversão, contudo, volta a ditar o ritmo do evento na sequência, com o lançamento de livros. Leia arremesso de obras por escritores. Na disputa, Marcelino Freire figura entre os favoritos, com o lançamento de “Rasif – Mar que arrebenta”. O escritor Jomard Muniz de Britto será a vítima de um jogo da verdade, respondendo a perguntas sem cunho literário criadas pelo público. Atividade marcada para as 20h30, no Espaço Corpos Percussivos. A partir das 22h, acontece o aguardado chá dançante da ABL, com discotecagem e lançamento da antologia “Tudo aqui fora escrito, tudo fora escrito ali”.

Além da apresentação dos grupos literários Dremelgas, Nascedouro Poético e O baile dos seres imaginários, o encerramento da festa, no domingo, será marcado por uma procissão poética pelas ruas do Recife para celebrar o homenageado da 1ª FreePorto, o poeta J. G. de Araújo Jorge. Exibição de vídeos, intervenções artísticas, exposição fotográfica e apresentação teatral completam a irreverente programação.

Serviço

Abertura da FreePorto – Festa Literária do Recife

Link original: http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-programa/535515-irreverencia-da-o-tom-da-freeporto

Etiquetas:
,
Sem comentários

Comente