A estética da indiferença

LANÇAMENTO

Enquanto livrarias seguem fechando portas, editoras e autores vão abrindo ou pulando janelas novas e velhas para alcançar leitores, melhor dizendo: consumidores. Neste ano, a Iluminuras lança A estética da indiferença (romance, 248 páginas) de Sidney Rocha (foto). O livro é bastante esperado desde o seu Fernanflor, parte da trilogia “Geronimo”. A Iluminuras publica Sidney Rocha desde 2009 e parece apostar no autor em tempos de crise ou não. Segundo o escritor Xico Sá, que acompanha a trajetória de Rocha, e escreveu sobre o livro: “Fernanflor é phoda; mas A estética… é de longe o melhor livro do cara”. Também já se iniciaram as pré-vendas, com novidades na antiga-nova ideia dos clubes de leitura, e na associação de serviços a produtos.

PARADIGMAS

MODELO CADUCO

A Chiado Editora anunciou pelo Facebook que destinará a seus autores 50% do preço de capa (o que é pago pelo consumidor no ato de compra) das vendas pelos seus sites. A hashtag #10%daysareover na postagem do editor Gonçalo Martins é paradigmática e expõe um modelo de formação caduco. Nele, livrarias submetem editoras, que submetem autores – esses escravos contemporâneos do mercado.

SOBREVIVÊNCIA

SOBRE LIVRARIAS E ANIMAIS ACUADOS

Um animal acuado é mais perigoso, mas pode se complicar quando desconhece as defesas da presa. O modelo de formação de preço do livro no Brasil privilegia as livrarias, assim como o ambiente favorece o predador. Ainda assim, o setor parece num beco sem saída e está acuado. Será que os executivos da Cultura se acharam geniais ao propor apertar as condições da consignação, pressionando as — agora também acuadas — médias e pequenas editoras? A jogada da Chiado é interessante, pois vai no caminho oposto à agressão, ao trazer os autores para seu lado. Basta saber se o #10%daysareover será seguido por outras editoras. Em tempo: a Chiado anunciou, logo depois, que implantará mostruários de suas obras nas lojas da Cultura do Conjunto Nacional (SP) e no Rio de Janeiro. Nada de jogar a colmeia no urso. Espertinhos.

Texto publicado originalmente na coluna Mercado Editorial, do Suplemento Pernambuco, setembro de 2018.

Etiquetas:
Sem comentários

Comente