Este poema é do livro 'o peso do medo 30 poemas em fúria' e tem uma pegada narrativa, pois a mesma cena é vista sob três pontos de vista diferentes. O cenário, na minha cabeça, é o Coque / Joana Bezerra, mas isso interessa bem pouco para o poema. Poderia...

No meu novo livro, o peso do medo 30 poemas em fúria, apaguei visualmente as marcas dos versos e toda a pontuação. Mas, curiosamente, eles estão lá. Daí  ironia, no último poema do livro: "eu tentei destruir o verso e o peso do medo/ mas não acaba". Foi um exercício estético, mas sei que a leitura do livro deve ser difícil. Daí minha curiosidade para saber como os leitores recebem o livro, como recostroem os versos que 'apaguei'. Por isso decidi fazer esse sorteio aqui pelo site, vejam como participar.